Proteção de contactos

Responder
helioneves
Curioso
Curioso
Mensagens: 65
Registado: 09 mar 2019, 13:13
Profissão: desempregado
Localização: Soure
Agradecimento recebido: 1 vez

Proteção de contactos

Mensagem por helioneves »

Protecção de contactos de interruptores, relés, contactores...
É importante quando a carga é predominantemente indutiva, como é caso de motores de indução e transformadores, que produz faíscas entre os contactos do interruptor quando é desligado, danificando-os e gerando ondas eletromagnéticas de alta frequência que vão interferir noutros aparelhos.
Mesmo quando a carga é accionada por triac ou outra eletrónica de estado sólido, há que evitar que a tensão desenvolvida aos terminais da carga suba acima do valor de ruptura.

--- Corrente Continua
Dados experimentais apontam que deve-se evitar que a tensão entre os contactos ultrapasse os 300V. Há ainda que ter em conta o metal dos contactos que tem diferentes correntes de arco. Como nem sempre sabemos qual é o tipo de contactos em causa, considera-se o valor "seguro" de 0.4A.
- Diodo "Free wheel"
A maneira mais simples ( e barata ) de limitar a tensão gerada pela interrupção da corrente é colocar um diodo em paralelo com a carga.
No entanto, se a corrente for excessiva para os ratings do diodo, pode adicionar mais diodos em paralelo, e/ou mesmo uma "snubber network".
De referir que no caso de usar o diodo free wheel, o tempo de queda da corrente pode ser reduzido colocando uma resistência em série com o diodo, mas isso acarreta que o pico da tensão aos terminais da carga suba. Pode-se usar a expressão V=R.i para saber aproximadamente quanto subirá o pico da tensão; R é o valor da resistência, i o valor da corrente interrompida.
- Malha RC ou "snubber network"
A colocação de um condensador em paralelo com a carga, vai reduzir o pico de tensão produzida aquando da interrupção de corrente.
Quanto maior o valor do condensador, mais baixa será a tensão desenvolvida aos seus terminais.
A tensão aos terminais do condensador é dada por
Vc=i*sqrt(L/C), onde i é a corrente interrompida, L a indutancia da carga, C a capacidade do condensador.
Assim, ele deve ter no minimo C=(i/300)^2*L, onde i é o valor da corrente no instante em que é interrompida, L o valor da indutancia. 300V é o valor máximo de tensão no condensador. Além disso, deve-se assegurar que o condensador tem uma capacidade minima de i*1uF, onde i é novamente o valor da corrente no instante que é cortada.
A resistencia em série com o condensador tem a ver com a limitação da corrente aquando do fecho do interruptor, para limitar a corrente instantânea. Entra também no amortecimento da corrente aquando do desligar do interruptor.
O valor da resistencia é tal que Vs/Ia < R < Rl, onde Vs é a tensão da fonte, Ia a corrente de arco, Rl a resistencia da carga.
Mostra o simulador que a colocação da resistencia em série com o condensador inicialmente reduz a tensão máxima, mas a partir de um certo valor, faz com que a tensão aos terminais da carga suba.
- Malha RCD
Esta malha anula a desvantagem criada pela existencia da resistencia em série com o condensador, uma vez que o diodo "shunta" a resistencia direccionando a corrente proveniente da carga quase exclusivamente para o condensador. Há que ter em conta uma vez mais os valores máximos da corrente, que as especificações do diodo sirvam para o circuito ( valores de pico de corrente, tensão de ruptura maior que a tensão da fonte ).
Neste caso, o valor minimo da resistencia é R=10*Vs/Ia, onde Vs é a tensão da fonte, Ia é a corrente de arco, assumindo ser 0.4A a menos que seja especificado outro valor.
- Carga indutiva comandada por transistor/tiristor
Há que prevenir que a tensão gerada pela interrupção da corrente na carga não exceda a tensão de ruptura do transistor.
Pode ser usado novamente o diodo free wheel e/ou snubber network.
Pode-se também colocar um diodo zener em paralelo com o transistor, tendo em conta que a tensão de zener esteja de acordo com a tensão da fonte.
Em ambos os casos o diodo ( simples ou zener ) tem de suportar o valor de corrente da carga, uma vez que essa corrente é transitoriamente conduzida por ele quando o transistor entra em corte.
Antes de escolher que tipo de circuito se vai usar, há sempre que saber qual é o maior valor da corrente que será interrompido.
Por exemplo, uma carga de 1H e 53 ohms é accionada por um interruptor com contactos de prata a partir de uma fonte de 48V.
A corrente máxima será de 48/53=0.9A.
Para não ultrapassar os 300V nos contactos quando o interruptor abre, R deve ter no máximo 300/0.905 = 330 ohms. Para este valor, a corrente no instante do fecho do interruptor seria de 48/330=0.145A, que está abaixo dos 0.4A da corrente de arco para contactos de prata. O condensador teria de ter (0.905/300)^2*1=9uF. Usando um simulador, e partindo do principio do circuito criticamente amortecido (53+330)^2*C=4*1 <=> C=28uF, observa-se que acima dos 56uF de capacidade, a tensão no condensador é quase exclusivamente positiva, o que significa que pode ser usado um eletrolítico, em vez de um não polarizado de 116V,10uF, que é maior e mais caro...
Se optar por uma malha RCD, R teria de ser no mínimo 10*48/0.4=1200 ohms. O condensador teria de ter no mínimo (0.905/300)^2*1=9uF.
O inconveniente neste caso é mesmo o tamanho do condensador ( 300V, 10uF ) e consequentemente o custo... no entanto se for colocado um díodo zener de 60V com um díodo normal em paralelo com a carga, a tensão que o condensador passa a ter de suportar é de 48+60=108V. Há apenas que garantir que C>0.9uF. Assim um condensador de 1uF, 150V basta.
E se fosse apenas um díodo free wheel? por exemplo o 1N4004, que suporta uma corrente de 1A?
Recorrendo ao simulador, vê-se que 15ms depois do corte, a corrente na carga é de cerca de 0.4A. A tensão aos terminais da carga é de cerca de 1V. Para acelerar a queda da corrente mete-se uma resistência em série. Para evitar atingir os 300V entre os contactos, a tensão pode subir até aos 300-48=252V, ou seja, 252V/0.9A=280 ohms. Como convém ficar abaixo disso, seja R=270 ohms. O simulador mostra agora que bastam cerca de 3ms para a corrente cair para os 0.4A.

--- Corrente Alternada
Como é óbvio, há diferenças entre corrente continua e alternada.
Considerando por exemplo a rede electrica de 230V, cuja tensão de pico será de 230V*1.4142= 325.3V, deixa de fazer sentido considerar os 300V do caso da corrente continua pois estão abaixo do pico da tensão da fonte.
- Malha RC ou "snubber network"
Neste caso, o valor minimo do condensador é dado por C=(i/325.3)^2*L
Além disso, se a carga for indutiva, como o condensador está em paralelo, contribui para a correção do factor de potencia.
A resistencia determina-se como para corrente continua.
- Varistor
Poderão alternativamente colocar um varistor em paralelo com a carga para limitar a tensão aos seus terminais.
No entanto há que considerar que a eficácia do varistor na limitação da tensão decai com o número de vezes que este "corta" a tensão com valores superiores de corrente, ou seja, com o passar do tempo, a tensão de corte do varistor vai subindo.
- Diodos zener
Colocar 2 diodos zener em anti-série em paralelo com a carga, vai limitar a tensão aos terminais da carga, tendo em atenção os valores de pico de corrente que os zeners podem suportar.
Em qualquer caso, há sempre que saber qual o valor máximo instantaneo da corrente quando se desliga o interruptor.
Por exemplo, se a corrente nominal for de 1A, então o valor máximo será de 1.4142A.
Podem ser usados 2 ou os 3 tipos simultaneamente.

Pode-se usar o varistor ou os zeners também quando a fonte for de corrente continua.
Anexos
exemplo.gif
exemplo.gif (1.93 KiB) Visto 392 vezes
RCD.gif
RCD.gif (3.25 KiB) Visto 415 vezes
zeners.gif
zeners.gif (3.16 KiB) Visto 417 vezes
transistor.gif
transistor.gif (3 KiB) Visto 417 vezes
snubber.gif
snubber.gif (2.94 KiB) Visto 417 vezes
freewheel.gif
freewheel.gif (2.82 KiB) Visto 417 vezes


Responder

Voltar para “Discussão Eletrónica”