Inversor modular

Responder
IFT
Curioso
Curioso
Mensagens: 58
Registado: 29 jan 2020, 12:55
Profissão: Informático
Localização: Vila Real

Inversor modular

Mensagem por IFT »

Boa tarde.
Esperando que todos se encontrem bem, gostaria de questionar se alguém por aqui tem experiência em instalar inversores modulares como o Hager SFT240.
Pretendo saber que aparelhos devem existir a montante e a jusante destes inversores e se estes obedecem à regra de proteção das secções tal como os disjuntores, ou seja, o modelo de 40A garante a proteção de condutores de 10mm² ou os inversores devem alimentar disjuntores de 2P e estes por sua vez devem alimentar os circuitos pretendidos?

Obrigado e cumprimentos.



Faiante
Curioso
Curioso
Mensagens: 98
Registado: 08 mai 2018, 10:58
Profissão: pré-reformado da EDP
Agradecimento recebido: 5 vezes

Re: Inversor modular

Mensagem por Faiante »

Boa tarde meu caro " IFT "

Relativamente ao seu pedido de ajuda, sou a informar o seguinte:

Os aparelhos de comando, sejam eles quais forem, a sua tipologia construtiva apenas lhes permitem executar ordens de comando, sejam elas
manuais ou por comando à distância através de contacto auxiliar.

No caso em concreto, e por aquilo que descreve, o aparelho em causa (Hager SFT240).Apresenta as seguintes características técnicas.

Em que:

2 P - Número de polos
40 - Intensidade máxima de 40 A

Estes dispositivos carecem de uma proteção a montante, podendo ser efetuada através de fusível do tipo Gg ou então por disjuntor eletromagnético de características técnicas essenciais.
Convém não esquecer que a Hager fabrica aparelhagem para corrente CC e AC. Assim o mesmo aparelho poderá ser posto em funcionamento
para frequências tanto de 50/60 HZ

CPtos

JAG

IFT
Curioso
Curioso
Mensagens: 58
Registado: 29 jan 2020, 12:55
Profissão: Informático
Localização: Vila Real

Re: Inversor modular

Mensagem por IFT »

Faiante Escreveu:
21 mar 2020, 17:34
Boa tarde meu caro " IFT "

Relativamente ao seu pedido de ajuda, sou a informar o seguinte:

Os aparelhos de comando, sejam eles quais forem, a sua tipologia construtiva apenas lhes permitem executar ordens de comando, sejam elas
manuais ou por comando à distância através de contacto auxiliar.

No caso em concreto, e por aquilo que descreve, o aparelho em causa (Hager SFT240).Apresenta as seguintes características técnicas.

Em que:

2 P - Número de polos
40 - Intensidade máxima de 40 A

Estes dispositivos carecem de uma proteção a montante, podendo ser efetuada através de fusível do tipo Gg ou então por disjuntor eletromagnético de características técnicas essenciais.
Convém não esquecer que a Hager fabrica aparelhagem para corrente CC e AC. Assim o mesmo aparelho poderá ser posto em funcionamento
para frequências tanto de 50/60 HZ

CPtos

JAG
A intenção é utilizar o inversor para alterar entre a corrente da rede e de uma UPS, quando a UPS necessitar de ficar offline.

Faiante
Curioso
Curioso
Mensagens: 98
Registado: 08 mai 2018, 10:58
Profissão: pré-reformado da EDP
Agradecimento recebido: 5 vezes

Re: Inversor modular

Mensagem por Faiante »

Boas meu caro amigo "IFT"!

Terá de verificar na chapa de características da UPS, qual a intensidade máxima que a mesma debita para a rede?
Há falta de outras indicações técnicas presumo tratar-se de uma UPS estática e não de uma UPS dinâmica, portanto, logo à partida, terá uma
potência pouco significativa.
Permita-me que lhe faça uma pergunta?
O que vai alimentar essa UPS? Qual a sua potência em VA.

CPTOS

JAG

IFT
Curioso
Curioso
Mensagens: 58
Registado: 29 jan 2020, 12:55
Profissão: Informático
Localização: Vila Real

Re: Inversor modular

Mensagem por IFT »

Faiante Escreveu:
21 mar 2020, 19:03
Boas meu caro amigo "IFT"!

Terá de verificar na chapa de características da UPS, qual a intensidade máxima que a mesma debita para a rede?
Há falta de outras indicações técnicas presumo tratar-se de uma UPS estática e não de uma UPS dinâmica, portanto, logo à partida, terá uma
potência pouco significativa.
Permita-me que lhe faça uma pergunta?
O que vai alimentar essa UPS? Qual a sua potência em VA.

CPTOS

JAG
Boa noite.
A UPS tem uma potência de 5kva. Apesar de ter várias saídas, vou utilizar apenas uma de 16A para alimentar a iluminação e um bastidor ITED.
Em relação à proteção a montante do inversor, o disjuntor bipolar MWN116 é suficiente?

Cumprimentos

Faiante
Curioso
Curioso
Mensagens: 98
Registado: 08 mai 2018, 10:58
Profissão: pré-reformado da EDP
Agradecimento recebido: 5 vezes

Re: Inversor modular

Mensagem por Faiante »

Meu caro amigo.
Permita-me que lhe diga o seguinte:

O disjuntor que indicou MWN116 da Hager - trata-se de um disjuntor bipolar cuja intensidade será de 16 Amperes.
Logo a potência prevista para esse aparelho de proteção, será de 3680 Watts para uma tensão de 230 Volts. Caso a instalação elétrica o permita pode
optar, por um disjuntor tripolar em que intensidade para a potência indicada na UPS de 5 KVA será apenas uma intensidade de 7.225 Amperes.
Mas, pelo que percebi, a instalação será monofásica, logo o disjuntor a aplicar terá de ser um disjuntor monofásico bipolar dessa mesma gama ou
outra, mas com uma intensidade superior a 21.739 Amperes, a qual será a intensidade nominal para a potência indicada no aparelho.
Aqui chegados, deverá utilizar um coeficiente de mais 20 % acima da intensidade nominal que será de 21,739 Amperes.
Face ao exposto deve o amigo optar por um disjuntor bipolar com intensidade de 25 Amperes.

Espero ter ajudado.

CPtos

JAG

IFT
Curioso
Curioso
Mensagens: 58
Registado: 29 jan 2020, 12:55
Profissão: Informático
Localização: Vila Real

Re: Inversor modular

Mensagem por IFT »

Faiante Escreveu:
21 mar 2020, 23:24
Meu caro amigo.
Permita-me que lhe diga o seguinte:

O disjuntor que indicou MWN116 da Hager - trata-se de um disjuntor bipolar cuja intensidade será de 16 Amperes.
Logo a potência prevista para esse aparelho de proteção, será de 3680 Watts para uma tensão de 230 Volts. Caso a instalação elétrica o permita pode
optar, por um disjuntor tripolar em que intensidade para a potência indicada na UPS de 5 KVA será apenas uma intensidade de 7.225 Amperes.
Mas, pelo que percebi, a instalação será monofásica, logo o disjuntor a aplicar terá de ser um disjuntor monofásico bipolar dessa mesma gama ou
outra, mas com uma intensidade superior a 21.739 Amperes, a qual será a intensidade nominal para a potência indicada no aparelho.
Aqui chegados, deverá utilizar um coeficiente de mais 20 % acima da intensidade nominal que será de 21,739 Amperes.
Face ao exposto deve o amigo optar por um disjuntor bipolar com intensidade de 25 Amperes.

Espero ter ajudado.

CPtos

JAG
Obrigado pelos cálculos amigo.
Equivoquei-me na mensagem anterior, pois os bipolares são os MWN2##, neste caso será necessário um MWN225.

Faiante
Curioso
Curioso
Mensagens: 98
Registado: 08 mai 2018, 10:58
Profissão: pré-reformado da EDP
Agradecimento recebido: 5 vezes

Re: Inversor modular

Mensagem por Faiante »

Bom dia para todos os participantes deste fórum.

Meu caro "IFT"! Percebi o conteúdo da mensagem, daí que lhe tenha referido o citado aparelho de proteção.
Fico-lhe grato por receber a sua resposta e poder ajuda-lo.

Espero que resolva e bem o seu problema.

Cumprimentos

JAG

IFT
Curioso
Curioso
Mensagens: 58
Registado: 29 jan 2020, 12:55
Profissão: Informático
Localização: Vila Real

Re: Inversor modular

Mensagem por IFT »

Faiante Escreveu:
22 mar 2020, 13:34
Bom dia para todos os participantes deste fórum.

Meu caro "IFT"! Percebi o conteúdo da mensagem, daí que lhe tenha referido o citado aparelho de proteção.
Fico-lhe grato por receber a sua resposta e poder ajuda-lo.

Espero que resolva e bem o seu problema.

Cumprimentos

JAG
Obrigado.
Acha mesmo necessário colocar proteção de 25A mesmo indo utilizar apenas uma saída de 16A da UPS?
É que isso vai obrigar-me a trocar um cabo 3G2,5 por um 3G4.
E em relação ao bipolar, é necessário ou recomendado? Neste momento a UPS já está ligada de forma provisória a uma tomada protegida por disjuntor de 16A.

Faiante
Curioso
Curioso
Mensagens: 98
Registado: 08 mai 2018, 10:58
Profissão: pré-reformado da EDP
Agradecimento recebido: 5 vezes

Re: Inversor modular

Mensagem por Faiante »

Boas noites meu caro " IFT"

Irei tentar ser o mais pormenorizado possível em relação às questões que me colocas:

Vejamos então às explicações para a sua dúvida!

1º - O disjuntor tem a função de proteger quer o equipamento, quer o troço da instalação a jusante do local onde se encontra.

2º - Como o meu caro já tem o equipamento a funcionar, ainda que de forma provisória embora ligado a uma tomada de usos gerais e protegido por
disjuntor unipolar de 16 Amperes.

3º - De acordo com o que me diz, entendo que o dito aparelho apenas está a debitar uma parte da sua potência logo terá também um consumo
parcial.
E isto porquê?
Porque a proteção a montante está assegurada por disjuntor unipolar de 16 Amperes, o qual protege não só o circuito como também o
equipamento da dita UPS.
4º - Caso a UPS estivesse a consumir os 21,739 Amperes, o amigo teria um problema acrescido. Teria de substituir os condutores do respetivo
circuito de alimentação e o disjuntor de proteção no Q.E.
Tendo em linha de conta que colocaria o disjuntor bipolar de 2x25 a fazer a proteção da UPS, e para que se verificasse simultaneidade entre
aparelhos de proteção no Q.E teria de ter um disjuntor de 32 Amperes a proteger o troço da canalização e consequentemente utilizar
condutores de 6 mm2.
Face ao exposto, o meu conselho vai para que dixe ficar tudo como está.
Senão, para uma potência de 5 KVA, de acordo com o regulamento em vigor, teria de executar um circuito específico para alimentar esse
aparelho.

Sempre ao dispor meu caro amigo.


Cptos

JAG

IFT
Curioso
Curioso
Mensagens: 58
Registado: 29 jan 2020, 12:55
Profissão: Informático
Localização: Vila Real

Re: Inversor modular

Mensagem por IFT »

Faiante Escreveu:
22 mar 2020, 23:11
Boas noites meu caro " IFT"

Irei tentar ser o mais pormenorizado possível em relação às questões que me colocas:

Vejamos então às explicações para a sua dúvida!

1º - O disjuntor tem a função de proteger quer o equipamento, quer o troço da instalação a jusante do local onde se encontra.

2º - Como o meu caro já tem o equipamento a funcionar, ainda que de forma provisória embora ligado a uma tomada de usos gerais e protegido por
disjuntor unipolar de 16 Amperes.

3º - De acordo com o que me diz, entendo que o dito aparelho apenas está a debitar uma parte da sua potência logo terá também um consumo
parcial.
E isto porquê?
Porque a proteção a montante está assegurada por disjuntor unipolar de 16 Amperes, o qual protege não só o circuito como também o
equipamento da dita UPS.
4º - Caso a UPS estivesse a consumir os 21,739 Amperes, o amigo teria um problema acrescido. Teria de substituir os condutores do respetivo
circuito de alimentação e o disjuntor de proteção no Q.E.
Tendo em linha de conta que colocaria o disjuntor bipolar de 2x25 a fazer a proteção da UPS, e para que se verificasse simultaneidade entre
aparelhos de proteção no Q.E teria de ter um disjuntor de 32 Amperes a proteger o troço da canalização e consequentemente utilizar
condutores de 6 mm2.
Face ao exposto, o meu conselho vai para que dixe ficar tudo como está.
Senão, para uma potência de 5 KVA, de acordo com o regulamento em vigor, teria de executar um circuito específico para alimentar esse
aparelho.

Sempre ao dispor meu caro amigo.


Cptos

JAG
Obrigado mais uma vez!
A troca da secção do circuito ainda não está fora de hipótese, pois a UPS está a ocupar a única tomada que existe no local onde ela se encontra, inviabilizando assim a ligação de outro qualquer aparelho nesse local.
O QE (parcial) que possui o disjuntor de 16A que alimenta a UPS já está a ser protegido por disjuntor de 2x32A e com 6mm2 de secção.
A única dúvida que me resta, e que segundo alguns dados consultados aqui no fórum não me esclareceram ainda, é:
sem alterar a secção, tendo em conta que a atual que alimenta a UPS é de 2,5mm2, posso alterar a proteção de 16A para 20A?
É que como o cabo da tomada da UPS passa antes por uma caixa de derivação, a minha ideia era colocar uma segunda tomada para uso geral esporádico!

Faiante
Curioso
Curioso
Mensagens: 98
Registado: 08 mai 2018, 10:58
Profissão: pré-reformado da EDP
Agradecimento recebido: 5 vezes

Re: Inversor modular

Mensagem por Faiante »

Bom dia amigo "IFT "

A hipótese que coloca é aquela que muitos eletricistas fazem, isto é trocar o disjuntor de 16 A por um de 20 A. Acontece que muitos dos
aparelhos
elétricos que inicialmente ficariam protegidos por esse disjuntor de proteção, ficam desprotegidos e, assim queimam.

Porque é que isto acontece?
O condutor de 2,5 mm2 apresenta um IZ de 19,5 amperes. Ao proceder à sua troca o que vai acontecer:
Um disjuntor de 16 A tipo B apresenta uma determinada curva referente a ao seus disparos: - podendo estes serem de dois tipos magnétco que
actua por sobrecarga, enquanto que o disparo por curto-circuito faz atuar a proteção eletromagnética, ou seja atuação instantânea. A
tipologia construtiva deste aparelho apresenta uma curva maior na sobrecarga caindo quase a pique em caso de curto-circuito elevando a
intensidade que tende para infinito.
Esta questão faz com que o aparelho possa atuar entre 3x16 e 5x16 - ou seja entre 48 e 80 Amperes
Ora se optar por um disjuntor do mesmo tipo, mas para 20 A terá 3x20 e 5x20. Ora bem, isto significa que o disjuntor eletromagnético irá atuar
entre 60 e 100 amperes.
Aqui chegados, temos a hipótese da EDP, ter colocado um limitador de potência que apresente as seguintes caraterísticas técnicas: tipo
diferencial ou eletromagnético.
Apenas existe uma pequena diferença entre estes dois aparelhos. Para o caso do aparelho EDP ter integrada a proteção diferencial, em caso de
disparo por fuga à terra e sendo a instalação no Q.E protegida por um diferencial de 30 mA, acontece na maioria das vezes ser o limitador da
EDP a actuar primeiro. Para o caso da instalação ser protegida por ID de 300 mA será sempre o limitador EDP a atuar, embora na maioria dos
casos este dispositivo de proteção estar regulado para 500 mA para fugas de corrente.
Como podes verificar, o IZ máximo para um condutor de 2,5 mm2 é de 19,5 amperes de intensidade máxima.
É claro que para isto também contribui o tempo de exposição quanto à sobrecarga e também ao curto-circuito e ainda o comprimento do circuito
a proteger.

Face a tudo o que disse, parece-me que deverias fazer um circuito independente para alimentar esse aparelho, ainda que fosse efetuado pelo
exterior através da aplicação de calha técnica com condutores de 4 mm2, seguindo, para efeito as regras legisladas assim como as da arte.

Espero ter contribuído quanto ao cabal esclarecimento da dúvida colocada. Se necessário, estarei sempre disponível para ajudar.

CPtos

JAG

IFT
Curioso
Curioso
Mensagens: 58
Registado: 29 jan 2020, 12:55
Profissão: Informático
Localização: Vila Real

Re: Inversor modular

Mensagem por IFT »

Faiante Escreveu:
23 mar 2020, 13:41
Bom dia amigo "IFT "

A hipótese que coloca é aquela que muitos eletricistas fazem, isto é trocar o disjuntor de 16 A por um de 20 A. Acontece que muitos dos
aparelhos
elétricos que inicialmente ficariam protegidos por esse disjuntor de proteção, ficam desprotegidos e, assim queimam.

Porque é que isto acontece?
O condutor de 2,5 mm2 apresenta um IZ de 19,5 amperes. Ao proceder à sua troca o que vai acontecer:
Um disjuntor de 16 A tipo B apresenta uma determinada curva referente a ao seus disparos: - podendo estes serem de dois tipos magnétco que
actua por sobrecarga, enquanto que o disparo por curto-circuito faz atuar a proteção eletromagnética, ou seja atuação instantânea. A
tipologia construtiva deste aparelho apresenta uma curva maior na sobrecarga caindo quase a pique em caso de curto-circuito elevando a
intensidade que tende para infinito.
Esta questão faz com que o aparelho possa atuar entre 3x16 e 5x16 - ou seja entre 48 e 80 Amperes
Ora se optar por um disjuntor do mesmo tipo, mas para 20 A terá 3x20 e 5x20. Ora bem, isto significa que o disjuntor eletromagnético irá atuar
entre 60 e 100 amperes.
Aqui chegados, temos a hipótese da EDP, ter colocado um limitador de potência que apresente as seguintes caraterísticas técnicas: tipo
diferencial ou eletromagnético.
Apenas existe uma pequena diferença entre estes dois aparelhos. Para o caso do aparelho EDP ter integrada a proteção diferencial, em caso de
disparo por fuga à terra e sendo a instalação no Q.E protegida por um diferencial de 30 mA, acontece na maioria das vezes ser o limitador da
EDP a actuar primeiro. Para o caso da instalação ser protegida por ID de 300 mA será sempre o limitador EDP a atuar, embora na maioria dos
casos este dispositivo de proteção estar regulado para 500 mA para fugas de corrente.
Como podes verificar, o IZ máximo para um condutor de 2,5 mm2 é de 19,5 amperes de intensidade máxima.
É claro que para isto também contribui o tempo de exposição quanto à sobrecarga e também ao curto-circuito e ainda o comprimento do circuito
a proteger.

Face a tudo o que disse, parece-me que deverias fazer um circuito independente para alimentar esse aparelho, ainda que fosse efetuado pelo
exterior através da aplicação de calha técnica com condutores de 4 mm2, seguindo, para efeito as regras legisladas assim como as da arte.

Espero ter contribuído quanto ao cabal esclarecimento da dúvida colocada. Se necessário, estarei sempre disponível para ajudar.

CPtos

JAG
Amigo, contribuiu claro.
Entretanto, estive a reorganizar ideias acerca de um melhor aproveitamento da UPS e precisava de opiniões aqui do pessoal do fórum.
Apesar de ser uma moradia e de ter sido construída à pouco mais de 1 ano, apenas tive oportunidade de obter a UPS recentemente, pelo que os quadros elétricos não ficam totalmente preparados para o que eu pretendo (culpa minha...), que passa por usar a UPS para alimentar a iluminação dos dois pisos e também outros circuitos críticos em ambos os pisos.
Esses circuitos são o do bastidor no piso 1, e no piso 0 os circuitos do recuperador de calor, da bomba circuladora do aquecimento e do motor do portão da garagem, todos com circuitos protegidos atualmente por disjuntores próprios.

Situação atual: entrada da EDP no QGeral do piso 1; este quadro alimenta o QParcial do piso 0; do QP sai a alimentação para a UPS que se encontra na casa das máquinas no piso 0, como referi antes.
Na casa das máquinas tenho já colocado um quadro de 6M onde está instalado um inversor, ainda apenas a receber a energia da UPS e enviá-la para o QParcial, onde foi efetuada a separação de circuitos e os disjuntores da iluminação do piso 0 estão já na UPS.
Problemas: não restam tubos de reserva entra o QP e a casa das máquinas e não existem aparentemente tubos de reserva entre o QGeral e o QParcial, apesar de existirem tubos de reserva do QGeral para a cobertura e aí existir a possibilidade de passar cablagem através de um tubo para a casa das máquinas onde atualmente passa, penso eu, o fio para o termostato do painel solar.

Questões: como colocar a UPS a alimentar os circuitos descritos tendo em conta a situação atual e que equipamentos serão ainda necessários?
Desde já o meu muito obrigado

Responder

Voltar para “Discussão Eletricidade”